Ano de Darwin 2009
Por que comemorar 2009 como o "Ano de Darwin"?

Na Sociedade Lineana, em Londres, no dia 1 de julho de 1858, a
comunidade científica teve acesso pela primeira vez a uma teoria que
se propunha a explicar a origem da diversidade biológica, .e provaria
ser revolucionária.  Naquele dia foram lidos artigos nos quais Charles
Robert Darwin (1809-1882) e Alfred Russel Wallace (1823-1913)
apresentavam a teoria da seleção natural, por eles formulada de
maneira independente. Por esta razão, no ano de 2008,
comemoramos 150 anos da primeira divulgação de uma teoria da
evolução que não somente mudou completamente a tradição dos
estudos sobre os seres vivos, como teve um impacto que ultrapassa
em muito os domínios da biologia, tendo repercussões na nossa
compreensão do ser humano e do universo.
No ano de 1859 houve a publicação da obra seminal de Charles
Darwin,
A Origem das Espécies, que de fato inaugurou o darwinismo
como um programa de pesquisa, reunindo uma série de naturalistas
ao redor da tarefa de compreender a diversidade biológica e sua
origem. Para muitos, foi a Teoria da Evolução que de fato consolidou
a própria Biologia como uma ciência autônoma, estruturadora do
trabalho dos biólogos por todo o século XX e até hoje. Assim, o ano
de 2009 foi denominado pela
International Union of Biological Sciences
como o ‘ano de Darwin’, não somente porque se comemoram 150
anos da publicação de
A Origem das Espécies, mas também porque se
completam 200 anos desde o nascimento de Darwin, ocorrido em 12
de fevereiro de 1809.
Deste modo, os anos de 2008 e 2009 oferecem excelentes
oportunidades para a realização de eventos que visem à
popularização das idéias de Darwin e de outros naturalistas, que
contribuíram para a construção do pensamento evolutivo, no Brasil e
no mundo. Trata-se também de um momento privilegiado para que
sejam discutidos aspectos contemporâneos da biologia evolutiva,
lado a lado com aspectos históricos e filosóficos. Todas estas
iniciativas podem ter implicações importantes para a melhoria da
educação científica, tanto formal quanto não-formal, no que diz
respeito ao pensamento evolutivo. Chamar a atenção da população
em geral para a importância da teoria da evolução e da realização de
Darwin é fundamental neste momento, quando surge no Brasil e em
outros países um forte movimento anti-científico que procura reduzir
o valor dessas contribuições. Disseminar o trabalho de Darwin,
Wallace e demais naturalistas da época é importante ferramenta
para possibilitar um passeio na história da ciência em geral, pois a
divulgação, pela primeira vez, em 1858, do trabalho de Darwin e
Wallace, nos remete à questão da ética na ciência. A teoria em si é
um modelo para os iniciantes na pesquisa, pois traz indagações,
questionamentos e mostra como se dá a construção da ciência – a
partir de perguntas que não findam jamais.
Também não devemos perder de vista que nosso país teve um papel
importante na vida de Darwin, durante a viagem do
Beagle. Ele
passou duas vezes pelo Brasil, durante a circunavegação realizada
pelo brigue inglês, nos anos de 1832 e 1836. Em 20 de fevereiro de
1832, o
Beagle aportou em Fernando de Noronha, o que teve como
resultado notícias em jornais brasileiros sobre a chegada de um
navio inglês em território nacional, num momento em que as relações
entre Brasil e Inglaterra eram tensas. Em 28 de fevereiro daquele
ano, o
Beagle aportou em Salvador. Darwin esteve na cidade até 18
de março, tendo realizado várias expedições que desempenharam
papel importante no chamado processo de sua ‘conversão’ para o
evolucionismo. Foi nas cercanias de Salvador que Darwin vivenciou
pela primeira vez a experiência de caminhar pelo interior de uma
floresta tropical, como ele descreve com cores vívidas e emocionadas
no diário escrito ao longo da viagem do
Beagle. Também durante sua
estada na Bahia, o naturalista começou a coletar dados geológicos
que lhe sugeriram que a profundidade do mar de fato havia variado
ao longo do tempo, tal como Charles Lyell descrevia em seus
Princípios de Geologia, que Darwin estava lendo durante a viagem.
Além disso, nos diários do
Beagle, temos um importante e
interessante testemunho da relação de Darwin, como um homem de
outra cultura, com a rica cultura da cidade de Salvador, seu repúdio à
escravidão, a natureza intensa e pitoresca de sua relação com a
população negra da cidade, bem como o natural estranhamento que
ele sentiu diante de algumas situações vividas na cidade, como em
sua caminhada pelas ruas no primeiro dia de Carnaval. Em 29 de
março de 1832, Darwin desembarcou em Abrolhos e, em 4 de abril,
chegava à cidade do Rio de Janeiro. Nesta região, ele realizou
importante excursão por terra até o norte fluminense, de 8 a 24 de
abril de 1832, além de termos mais relatos interessantes de suas
relações com a nossa cultura. Finalmente, em 5 de julho, deixou o
Brasil, seguindo para Montevidéu. Em 1836, Darwin voltaria a
Salvador, entre 1 e 5 de agosto, dali seguindo para Recife, onde
ficaria de 7 a 12 de agosto.
Assim, os anos de 2008 e 2009 têm um significado especial para
nosso país, que teve papel relevante no processo formativo deste
naturalista de importância fundamental na história da humanidade.
Diante de tal significado, mostra-se surpreendente, por exemplo,
como a passagem de Darwin pelo Brasil está pouco presente no
ensino de Biologia em nosso país. Os livros didáticos brasileiros, por
exemplo, praticamente nada falam sobre a passagem de Darwin pelo
Brasil, mas sempre mencionam sua visita a Galápagos, inclusive
propagando mitos sobre o papel que esta visita teve na construção
de seu pensamento sobre evolução. Desse modo, os anos de 2008 e
2009 oferecem uma excelente oportunidade para mudar este estado
de coisas, através de atividades de popularização e difusão da
ciência que estejam voltados para estes episódios históricos.
Integrando-se ao movimento internacional de comemoração do “Ano
de Darwin”, várias instituições brasileiras já estão organizando
diversas iniciativas científicas, educacionais e culturais, divulgando a
relevância da teoria da evolução biológica e a contribuição de Darwin.
Para coordenar esses esforços, está sendo formado um grupo de
trabalho, com a participação de associações científicas, centros de
pesquisa, universidades e outras instituições. Este grupo, que
começou a se estruturar em uma reunião realizada no dia 15 de julho
de 2008, durante a 60ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o
Progresso da Ciência (SBPC), estabelecerá contato com todas as
instituições nacionais interessadas em desenvolver ações relativas
ao “Ano de Darwin”, estimulando a colaboração entre as mesmas,
divulgando as iniciativas planejadas, sugerindo atividades e atuando
junto aos órgãos de fomento à pesquisa, à educação e à cultura, em
todos os níveis, para obter o apoio necessário à concretização
dessas ações.
Esta é uma cópia do antigo site "Ano Darwin 2009", que foi desativado.
Este registro histórico está sendo mantido pela ABFHiB
Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia
HMS Beagle
Charles Darwin, em 1860