ISSN 1982-1026

Boletim de História e Filosofia da Biologia

Volume 5, número 4

Dezembro de 2011

 

Publicado pela Associação Brasileira de

Filosofia e História da Biologia (ABFHiB)

http://www.abfhib.org

 

  Sumário:

 

1. Encontro de História e Filosofia da Biologia 2012

2. Revista “Filosofia e História da Biologia”, volume 6, fascículo 2

3. “Novas bibliotecas virtuais: Scribd e Library.nu”, por Roberto de Andrade Martins

4. Traduções de textos primários: “Regnier de Graaf e a descoberta dos ‘ovos’ femininos”, por Gerda Maísa Jensen e Maria Elice Brzezinski Prestes

 

 

 

1. Encontro de História e filosofia da Biologia 2012

 

 

 

O Encontro de História e Filosofia da Biologia 2012, promovido pela ABFHiB, com apoio da Universidade de São Paulo – Ribeirão Preto e da FAPESP, será realizado de 15 a 17 de agosto de 2012, no Espaço de Eventos da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP-RP.

Além das sessões paralelas para apresentação de trabalhos, o Encontro contará com a seguinte conferência e simpósio:

* Profa. Dra. Catherine Wilson, da Universidade de Aberdeen, Scotland, UK: “Early Microscopy and the Scientific Revolution”.

* “Preparação e submissão de originais para a revista Filosofia e História da Biologia: escopo, aspectos metodológicos e técnicos”, organizado por Maria Elice Brzezinski Prestes e Lilian Al-Chueyr Pereira Martins.

 

 

 

A figura escolhida para os cartazes e outros materiais deste evento é uma imagem de Albertus Seba (1665-1736), intitulada “Philander, Orientalis, fêmea, com seu filhote no ventre”, da obra Locupletissimi rerum naturalium thesauri accurata descriptio, de 1734.

2. REVISTA “FILOSOFIA E HISTÓRIA DA BIOLOGIA”

A versão online do segundo

 fascículo do volume 6 de

Filosofia e História da Biologia

  está disponível em: http://www.abfhib.org/FHB/edicoes.html

Artigos publicados:

Antonio Carlos Sequeira Fernandes, Ricardo Pereira, Ismar de Souza Carvalho e Débora de Almeida Azevedo

“O âmbar de Ambrósio Fernandes Brandão: um registro equivocado”

Celso Antonio Alves Neto

“Considerações sobre o conceito de coesão na tese ‘espécies-como-indivíduos’ de David Hull”

Fernando Dias de Avila-Pires

“Mudanças nas práticas de coleta e estudo dos mamíferos a partir do século XVIII”

Gerda Maisa Jensen e Maria Elice Brzezinski Prestes

As investigações de Lazzaro Spallanzani acerca do fenômeno do entorpecimento e dor causado pelos torpedos

Gustavo Caponi

Las apomorfias no se comen: diseño de caracteres y funciones de partes en Biología

Lilian Al-Chueyr Pereira Martins

“O papel do núcleo na herança (1870-1900), um estudo de caso: a teoria dos idioblastos de O. Hertwig

Lourdes Aparecida Della Justina e Ana Maria de Andrade Caldeira

“Investigação sobre a inclusão do episódio histórico da teoria genotípica de Wilhelm Ludwig Johannsen na formação inicial de professores e pesquisadores”

Maria Elice Brzezinski Prestes

Lazzaro Spallanzani e a instalação da cátedra de História Natural na Universidade de Pavia, em 1769

3. “NOVAS BIBLIOTECAS VIRTUAIS: SCRIBD E LIBRARY.NU”, POR ROBERTO DE ANDRADE MARTINS

Alguns anos atrás, em um dos primeiros números deste Boletim, apresentamos esclarecimentos sobre duas bibliotecas virtuais: Internet Archive e Google Books. Veja a notícia neste endereço:

http://www.abfhib.org/Boletim/Boletim-HFB-01-n2-Dez-2007.htm#Bibliotecas_virtuais

O Boletim mostrou como é possível fazer download, em formato PDF, de livros antigos (que não possuem mais restrições de direitos autorais) a partir desses dois sites.

Porém, muitas vezes precisamos de livros recentes, que não encontramos nas bibliotecas e que podem ser difíceis de adquirir. Como solucionar esse problema? Estão surgindo, na Internet, alguns sites nos quais é possível encontrar muitos livros publicados recentemente (até mesmo publicados em 2011). A maioria desses sites é comercial, ou seja, é preciso pagar para utilizar os livros. Vamos apresentar aqui informações sobre o uso de dois sites, que são gratuitos: SCRIBD e LIBRARY.NU.

Abaixo estão indicadas as instruções passo-a-passo. É conveniente imprimir essas instruções, para poder consultá-las quando for utilizar os sites pelas primeiras vezes.

 

 

O site Scribd é uma biblioteca virtual não apenas de livros, mas também de textos de todos os tipos – tem pequenos textos de poucas páginas, em vários idiomas, e tem também livros.

O uso do Scribd é gratuito, porém... se a pessoa baixar muitos livros, o site vai solicitar que ela também forneça algum material para ser partilhado com os demais usuários. Ou seja: o Scribd funciona como um sistema colaborativo. Você pode fornecer qualquer material textual como, por exemplo, um livro em PDF que você pegou no Google Books, na Gallica, no Internet Archive ou em qualquer outro lugar. Portanto, não se preocupe com esse aspecto, pois é fácil cumprir essa exigência.

Para começar a usar o Scribd você precisa, é claro, entrar no site. A versão original é em inglês, mas há também uma versão em português:

http://www.scribd.com/

http://pt.scribd.com/

Todas as explicações abaixo mostram o site em português.

Na primeira vez em que você entrar no Scribd, será necessário fazer sua inscrição. O sistema é realmente gratuito, mas eles registram os usuários, pedindo um endereço de e-mail. Se você tiver alguma preocupação, crie um e-mail novo no Gmail ou no Yahoo, apenas para fazer o registro.

Para se registrar, clique no lugar onde está escrito “Registre-se”, no lado direito da barra preta superior do site.

 

 

Vai aparecer uma caixa de diálogo como esta abaixo:

 

Se você tem uma conta no Facebook, pode vincular essa conta ao Scribd. Se não tiver, ou não quiser utilizar a conta do Facebook, basta colocar seu e-mail, um nome de usuário (username) que você escolhe, e uma senha para acessar o Scribd. Pode desmarcar a caixinha que diz “Quero receber a Newsletter Scribd [...]”.

Depois de completar o seu registro, você pode fazer login no site e, se quiser, escolher a opção de guardar a sua senha no navegador, para não precisar ficar se preocupando com isso.

Fazer as buscas é simples: você digita palavras-chave no campo de busca, na parte superior da página, e aperta a tecla Enter ou então clica em Pesquisar. Na imagem abaixo, foram utilizadas como termos de busca as palavras Aristotle e zoology, em inglês, porque o objetivo era encontrar obras nesse idioma. Obviamente, se você colocar Aristóteles zoologia só vai conseguir localizar documentos em português (ou espanhol). 

 

 

Logo que você fizer a busca, vão aparecer resultados abaixo da barra preta. Porém, dependendo do caso, podem aparecer apenas resultados em português (porque o site reconhece qual o país do usuário), mesmo quando você quer obter resultados em inglês. Além disso, vai aparecer uma mistura de livros com documentos curtos de todos os tipos. Para poder selecionar o que realmente interessa, você deve clicar em “Opções de pesquisa”, mas apenas depois de ter colocado as palavras-chave e apertado Enter ou clicado em Pesquisar. Ou seja: as opções que você vai escolher só serão aplicada à consulta que você acabou de fazer (nunca às pesquisas futuras).

 

 

Ao clicar no botão “Opções de pesquisa”, aparecerão vários tipos de escolhas que você pode fazer, na sua busca no Scribd. Você pode optar por só localizar livros, por exemplo; pode escolher o idioma do documento; e outros aspectos importantes para filtrar o resultado da busca que você acabou de fazer.

A cada nova busca, você precisará de novo escolher as opções de sua pesquisa, para filtrar e restringir os resultados.

Ao clicar na primeira caixa de opção, “Filtrar por:”, você poderá escolher se quer, por exemplo, “Livros – Não ficção”, que será útil para localizar livros acadêmicos.

 

 

Na segunda caixa de opções, “Idioma:”, você pode escolher se quer que os documentos sejam apenas em Português, ou Inglês, ou Francês, ou Espanhol, etc. Pode também escolher “Qualquer idioma”.

 

 

Clicando na terceira caixa de opções, “Tamanho:”, você pode escolher documentos pequenos (1 a 3 páginas), médios (4 a 100 páginas), grandes (100 ou mais páginas), ou qualquer tamanho. Se você não fizer nenhuma escolha, o padrão será “Qualquer tamanho”. Geralmente, se você escolher “100+ páginas” aqui, nem precisa escolher a opção de Livros, na primeira caixa (“Filtrar por:”).

 

 

As outras opções (“Tipo de arquivo:”, “Data de carregamento:” e “Armazena:” não costumam ser úteis.

Depois de selecionar as suas escolhas, é necessário clicar no botão “Aplicar opções de pesquisa”, para que o filtro seja utilizado.

 

 

 

Agora, vão aparecer apenas os resultados de sua busca que obedecem às restrições que você colocou, como na imagem abaixo.

 

 

Ao lado de cada um dos resultados aparece a capa do livro (quando faz parte do arquivo PDF), e o número de páginas (por exemplo, 2.450 páginas, no exemplo abaixo).

 

 

Agora, se você quer copiar esse livro (fazer download), clique sobre o seu título (em azul). Vai abrir a página deste livro, em particular.

 

 

Na parte de baixo da página aparece uma barra preta, que lhe permite consultar ou baixar o livro (fazer download). Se essa barra não estiver aparecendo, leve o seu mouse até a parte de baixo da página, e ela vai aparecer.

 

 

Usando-a, você pode olhar as páginas iniciais do livro, clicando nas setas para baixo e para cima (lado esquerdo). Pode também fazer buscas de palavras dentro do livro, usando a caixa de busca que fica no meio da barra preta. E, apertando o botão verde, você pode baixar o livro (fazer download). Na maioria dos casos, você pode copiar o livro sem problemas. Em alguns casos, no entanto, o livro só está disponível para download se você pagar uma taxa.

Clicando no botão verde, para copiar o livro, aparece uma caixa de diálogo. O livro pode estar disponível apenas em PDF, ou em PDF e TXT, ou mesmo em PDF, DOC e TXT. Você pode escolher o formato preferido, e então clicar no botão preto “Download now”. O arquivo será copiado para o seu computador.

 

 

Como já dissemos, você poderá copiar (baixar) um grande número de livros completos. No entanto, se utilizar bastante o Scribd, vai aparecer uma mensagem dizendo que você precisa fazer o carregamento (upload) de um arquivo do seu computador para o Scribd, para partilhar com as outras pessoas. Você pode fazer o upload de qualquer coisa, mas procure colocar lá alguma coisa útil (por exemplo, livros em PDF que você baixou de outros sites).

 

 

O segundo site para download de livros que vamos apresentar hoje é o LIBRARY.NU. O endereço desse site na Internet é http://library.nu, sem colocar www. A terminação “nu” desse endereço da Internet se refere ao país de Niue, que fica em uma ilha no sul do Oceano Pacífico, perto da Nova Zelândia.

Comece entrando na página inicial do site:

http://library.nu

Ao entrar neste site pela primeira vez, você deverá se registrar, como no caso do Scribd. A tela inicial do site tem, na parte de cima, as opções “register” (para você se registrar pela primeira vez) e “login” (para entrar, se você já se registrou). 

 

 

 

Ao clicar em “register”, vai aparecer uma caixa de diálogo onde você deve colocar seu e-mail e escolher uma senha. Depois você deve abrir o seu e-mail, encontrar uma mensagem do library.nu, e clicar em um link que aparece na mensagem, para ativar sua conta.

Agora que já se registrou e fez seu login, você pode fazer buscas. Ao contrário do Scribd, neste site há apenas livros (não há outros documentos menores). Não é necessário fazer nenhuma opção de idioma, etc. Por isso a busca é mais direta do que no Scribd.

 

 

Você pode digitar as palavras-chave que quiser, depois clicar em “search” e ver os livros que estão disponíveis para download. Se sua busca for muito vaga, podem surgir centenas de resultados, o que vai dificultar seu trabalho. Faça uma busca específica, será mais útil. No exemplo abaixo, a busca utilizou as palavras Aristotle e zoology. Foram encontrados 13 resultados. Cada página mostra 10 resultados, e você pode ir passando de uma página para outra, para ver tudo o que foi localizado.

 

 

Suponhamos que você se interesse pelo segundo livro, A companion to Aristotle (da série Blackwell Companions to Philosophy). Clique no título do livro. Vai aparecer uma página como esta que está mostrada abaixo.

 

 

Vá descendo a página. Em um certo ponto, pode aparecer um retângulo onde está escrito: “external links”, que mostra as possibilidades de download do livro. Já vamos falar sobre esses links de download daqui a pouco. Mas, se você já fez download de alguns livros, em vez desse retângulo vai aparecer um “teste” reCaptcha, para verificar se você é um ser humano ou se é um programa de computador que está copiando automaticamente muitos livros. É um teste de reconhecimento de palavras, como o que está mostrado abaixo.

 

 

Há sempre duas palavras (ou conjuntos de letras e outros símbolos). Você deve digitar os dois conjuntos na caixa de diálogo. No caso mostrado acima, você digitaria alternative depois, um espaço, e ndlexpr, que é uma expressão sem significado. Depois, aperte “show links”. Se você acertou, essa caixa do reCaptcha vai sumir, aparecendo então o retângulo de links externos, que vamos explicar agora.

 

 

Os arquivos contendo os livros do library.nu não estão armazenados no próprio site, e sim em vários outros lugares da Internet. No caso do livro que estamos usando como exemplo, há cópias em dois sites. O primeiro, ifile.it,  é o mais fácil de usar, não exigindo nenhuma senha. O segundo, megaupload.com, é mais lento para ser utilizado, além de conter os arquivos zipados em um formato especial. Não vamos explicar aqui essa opção. Vamos dar apenas as indicações sobre como usar o site ifile.it.

 

 

Clique no link em azul, ifile.it. O navegador vai abrir uma nova página, desse outro site. A imagem abaixo indica a aparência geral do site ifile.it.

 

 

Você não deve clicar no botão verde escrito Download. Se você clicar, vai apenas baixar o programa PDF Reader, e não o livro que você está querendo baixar. Em vez disso, clique no botão branco onde está escrito “Request Download Ticket”.

Note que, em cima desse botão, estão as informações sobre o arquivo que você vai baixar depois (o livro completo, em formato PDF).

Depois de apertar o botão “Request Download Ticket”, vai aparecer um novo teste reCaptcha de reconhecimento de palavras e caracteres, como mostrado na figura abaixo. São novamente duas palavras (ou expressões) que você deve digitar, separadas por espaço, para poder ter acesso ao livro. Se você errar, vai aparecer novo teste. 

 

 

 

 

No caso deste exemplo, você deveria digitar sdatef Trois, depois clicar no botão branco onde está escrito “Continue”.

Se você acertar, agora vai aparecer uma nova página, como a mostrada abaixo, com um botão branco escrito “Download”. Clique nesse botão, e o arquivo será transferido para o seu computador.

 

 

 

 

Como você pode ver, é um processo um pouco lento, cheio de etapas, mas depois de poucas tentativas você se acostuma e pode  fazer download de muitos livros completos, recentes, que serão úteis para sua pesquisa.

Depois de localizar livros interessantes, você pode enviar os links do ifile.it para outras pessoas. Elas não precisam estar cadastradas no library.nu. Mas precisarão fazer o teste de reconhecimento de palavras e expressões, para copiar os livros. Por exemplo: o link abaixo permite ter acesso direto ao New Dictionary of Scientific Biography, que é uma complementação, recente, da famosa obra editada por Charles Gillispie há quase 40 anos:

http://ifile.it/c64t9j/ebooksclub.org__New_Dictionary_of_Scientific_Biography__Dictionary_of_Scientific_Biography__8_Vols__.l_zzx40n5t5x72xt9.pdf

 

 

Citação bibliográfica deste artigo:

MARTINS, Roberto de Andrade. Novas bibliotecas virtuais: Scribd e Library.nu. Boletim de História e Filosofia da Biologia 5 (4): 3-15, dez. 2011. Versão online disponível em: <http://www.abfhib.org/Boletim/Boletim-HFB-05-n4-Dez-2011.pdf>. Acesso em dd/mm/aaaa. [colocar a data de acesso à versão online]

 

4. Traduções de textos primários:

REGNIER DE GRAAF E A DESCOBERTA DOS “OVOS” FEMININOS

Gerda Maísa Jensen1 e Maria Elice Brzezinski Prestes2

1Doutoranda do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo

maisajensen@ig.com.br

2Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo

eprestes@ib.usp.br

 

Após o médico italiano Fabrizio ab Aquapendente (1537-1619) ter mostrado que havia um órgão produtor dos ovos na galinha, que ele chamou ovarium (ovário), começou a ser defendida pelos anatomistas do século XVII a ideia de que os “testículos” das fêmeas de mamíferos pudessem ser órgãos semelhantes. O naturalista dinamarquês Nicolas Steno (1638-1686) mostrou, em 1667, que os ovos de um peixe vivíparo provinham do “testículo” da fêmea e que se desenvolviam no seu útero, assim como ocorria em várias fêmeas de mamíferos. O médico holandês Johannis Van Horne (1621-1670) também foi partidário de que o “testículo feminino” seria semelhante ao ovário produtor de ovos das aves. Outro médico holandês, Teodor Kerckring (1640-1693), defendeu a ideia de que esse sistema também deveria ser aplicado para a fêmea da espécie humana.

Esses exemplos mostram que a presença de “ovos” nos órgãos reprodutores das fêmeas de diferentes espécies de animais, incluindo a espécie humana, era um fato presumido por diversos anatomistas. Mas os estudiosos continuavam buscando mais evidências empíricas. A obra De mulierum organis generatione inservientibus tractatus novus, demonstrans tam homines et animalia caetera omnia, quae vivipara dicuntur, hade minus quam ovipara, ab ovo originem ducere (História anatômica das partes genitais do homem e da mulher usados para a geração, com um tratado do suco pancreático, dos clísteres e do uso do sifão) do médico e anatomista holandês Regnier de Graaf  (1641-1673),  contribuiu para isso. A partir dessa obra, ficou estabelecido que as fêmeas de diversos animais, incluindo os “quadrúpedes” (mamíferos), assim como as aves, produziam “ovos” no interior de seus “testículos” – que de Graaf propôs passarem a ser chamados ovários. Hoje sabemos que de Graaf não observou os óvulos dentro dos ovários, mas, como os demais anatomistas da época, os folículos no qual o óvulo está contido. Por isso é que esses folículos são chamados “folículos de Graaf”.

O texto de de Graaf também causou impacto sobre as teorias acerca da geração dos seres vivos, fomentando o desenvolvimento da ideia do pré-formacionismo ovista (os organismos são gerados a partir de algo preformado no interior de ovos), em oposição ao preformacionismo animalculista (os organismos são gerados a partir de algo preformado no interior dos animálculos, isto é, dos espermatozóides).

O trecho traduzido aqui faz parte do capítulo intitulado “Dos testículos ou dos ovários das fêmeas”, da obra De mulierum organis, publicada em Leyden em 1672. A tradução para o português foi feita a partir de versão francesa publicada por Jean-Louis Fischer em uma antologia de textos relevantes da história da biologia reprodutiva (FISCHER, Jean-Louis. La naissance de la vie: une anthologie. Textes choisis et presentes para J. L. Fischer. Paris: Presses Pocket, 1991).

 

Figura: Regnier de Graaf (1641-1673)

Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Regnier_de_Graaf

Figura: Capa da obra de Regnier De Graaf sobre os ovos das fêmeas.

Fonte: Disponível em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/

 

Tradução:

DE MULIERUM ORGANIS GENERATIONE INSERVIENTIBUS TRACTATUS NOVUS, DEMONSTRANS TAM HOMINES ET ANIMALIA CAETERA OMNIA, QUAE VIVIPARA DICUNTUR, HADE MINUS QUAM OVIPARA, AB OVO ORIGINEM DUCERE

Regnier de Graaf

 

Os testículos das mulheres são bem diferentes dos testículos dos homens, como veremos. Diferem por sua localização, sua aparência, seu tamanho, sua substância, seus tegumentos e seu uso.

Eles não estão localizados fora do corpo como os testículos dos homens, mas no fundo da cavidade do abdômen, a dois dedos do fundo do útero, aos lados do qual estão fixados por um forte ligamento chamado de ducto deferente pela maior parte dos anatomistas, que acreditava que a semente passava por esses ductos, dos testículos ao útero. Do outro lado, eles estão fixados fortemente ao peritônio na região do osso ílio, por meio de vasos espermáticos e membranas que revestem tais vasos. Os testículos assim suspensos dos dois lados estão quase nivelados com o fundo do útero nas mulheres que não estão grávidas; naquelas que estão, eles ficam mais abaixo do fundo do útero, e quanto mais o útero se eleva, mais baixos, proporcionalmente, eles se encontram.

Os testículos das mulheres não são suspensos por um músculo cremaster, embora Soranus e alguns outros o tenham escrito. Como eles estão na cavidade abdominal e próximos ao útero, eles são muito apropriados para executar as funções para as quais são destinados, conforme iremos demonstrar.


      Quanto à aparência, os testículos das mulheres são achatados na região anterior e posterior; na região inferior, eles possuem uma corcunda meio-oval, e na sua região superior, por onde os vasos entram, eles são mais planos que convexos, de modo que esses testículos, separados de seus vasos e de seus ligamentos, representam uma figura meio-oval um pouco achatada, bem diferente da aparência dos testículos dos homens.

Sua superfície é mais desigual e mais áspera do que a da dos homens, porque os corpos neles contidos empurram de forma desigual a túnica que os recobre; vemos até mesmo pequenas fendas e fissuras em alguns lugares.

Seu tamanho varia de acordo com a idade. Durante a puberdade e a flor da idade eles pesam em torno de um dracma1 e meio, o que corresponde somente à metade dos testículos dos homens, embora os primeiros sejam proporcionalmente maiores e mais cheios de suco. Em idade mais avançada, e na velhice decrépita, eles são bem menores e mais duros, pois eles diminuem sucessivamente, se esgotam, murcham e tornam-se quase nada; os menores que eu encontrei em mulheres velhas pesavam, contudo, ainda, quase um escrúpulo2. Nas crianças recém-nascidas eles pesam 5 ou 6 grãos ou no máximo um meio escrúpulo; por consequência, são menores do que aqueles das velhas decrépitas, contra o sentimento da maior parte dos anatomistas que diz que as meninas os têm maiores, e que eles diminuem gradualmente com o tempo como a glândula chamada timo. Os testículos das mulheres tornam-se, no entanto, algumas vezes, contrariamente ao normal, bem grandes e eles se enchem de tanto humor [líquido] que não ficam isentos de hidropisia [edema].

Schenkius3 em suas observações, Riolan4 e muitos outros autores deixaram um grande número de exemplos.

Os tegumentos dos testículos das mulheres são muito diferentes daqueles dos homens; estes são revestidos de muitas túnicas que os defendem contra as injúrias externas às quais são expostos; aqueles apresentam uma só túnica simples e própria, que Galeno5 chamou dartos. Embora a túnica não seja muito dura, é difícil de separá-la da substância dos testículos, à qual ele está tão bem ligada que parece a continuação da mesma substância. A parte superior dos testículos das mulheres é envolvida por uma membrana que vem do peritônio com os vasos sanguíneos. Eis o sentimento comum que se tem sobre o número desses tegumentos.

Porém, aqueles que nem pela cocção, nem por outra forma, conseguem separar em duas a membrana própria e a do peritônio, julgarão comigo que os testículos das mulheres estão cobertos por uma única túnica que eles recebem do peritônio; ela é, na verdade, espessa e tão estreitamente unida e ligada ao parênquima dos testículos, que é impossível separar em duas. Contudo, como isso é pouco importante, nós deixaremos a cada um a liberdade de julgar o número desses tegumentos.

Quando é removida, a substância dos testículos parece esbranquiçada e totalmente diferente daquela dos testículos dos homens. Estes, à exceção de algumas pequenas membranas e vasos preparantes6, são um tecido de vasos seminais tão dobrados uns sobre os outros que quando são desenrolados apresentam de vinte a quarenta varas (aunes)7. Os testículos das mulheres são tão pouco compostos de vasos semelhantes, que qualquer diligência para encontrá-los não leva a lugar algum. Sua substância interna é uma composição de muitas membranas e de pequenas fibras que se reúnem bem frouxamente, em cujos interstícios se encontram diversos corpos naturais e contra naturais. Os primeiros encontram-se sempre ou algumas vezes sós: aqueles que se encontram sempre são pequenas vesículas cheias de um licor; os nervos, os vasos preparantes que vão aos testículos das mulheres, quase do mesmo modo como foi dito dos vasos preparantes dos homens, percorrem toda a sua substância, e fluem para o interior de pequenas vesículas, em cujas túnicas eles se perdem em uma infinidade de ramificações. O mesmo se observa nas gemas das aves quando estão ligadas em cacho dentro do ovário. Quanto aos vasos linfáticos que se encontram nos testículos das mulheres, parece que eles entram no interior da substância, mas como eu não notei isso claramente, não o asseguro.


       Os corpos naturais que se encontram somente às vezes dentro dos testículos das fêmeas são certos pequenos globos, compostos de glândulas conglomeradas de muitas partículas que vão do centro à periferia quase em linha reta, e envolvidos por uma membrana própria. Eu digo que esses pequenos globos não se encontram sempre dentro dos testículos das fêmeas porque, efetivamente, só são encontrados ali após o coito, em número de um ou mais, na medida em que a fêmea venha a produzir um ou mais filhos. Esses globos não são sempre de mesma aparência. Eles são amarelos nas vacas, vermelhos nas ovelhas e cinzentos nos outros animais; alguns dias após o coito eles são dotados de uma substância muito fina e possuem, no seu interior, um licor bem claro envolvido por uma membrana; esta, extraída com seu licor, deixa uma cavidade que se suprime imperceptivelmente, de modo que nos últimos meses de gravidez esses globos são sólidos, e depois do nascimento eles se dissipam e desaparecem pouco a pouco.

Os corpos contra naturais que às vezes são encontrados são hidátides, pedras e esteatomas e outras coisas semelhantes.

Por tudo o que foi dito, é fácil reconhecer que as pequenas vesículas ou as matérias que nelas estão contidas são as coisas pelas quais os nervos, as artérias, as veias, os tegumentos e outras partes dos testículos foram formados. Vesálio, Falópio, Volchero Coiter, Laurêncio, Castro, Riolan, Bertholin, Warton de Marchettis8 e outros anatomistas, deram diferentes nomes a essas pequenas vesículas, que seria enfadonho relatar aqui. No momento, nós nos limitaremos a apenas dois autores que são suficientes para nos fazer encontrar a verdade, a saber, Falópio e Castro. Eu vi, disse o primeiro em suas observações anatômicas, nos testículos das mulheres, formas de vesículas cheias de água ou de um humor aquoso às vezes amarelo, às vezes claro; e Castro disse no livro I, capítulo 4, da Natureza das mulheres, que seus testículos possuem interiormente, além de seus vasos, certas cavidades ou sinus cheios de um humor aquoso claro e semelhante ao soro do leite ou à clara do ovo. Alguns chamaram tais vesículas de hidátides. Mas o sábio Van Horne9 na sua obra Preliminar os chamou mais apropriadamente ovos. Como este nome é mais conveniente do que qualquer outro, seguindo o exemplo desse grande homem, daqui em diante neste Tratado, nós chamaremos essas vesículas de ovos, devido à sua perfeita semelhança com os ovos encerrados nos ovários das aves. Por serem pequenos, contêm apenas um líquido claro como a clara do ovo semelhante àquela que nós vemos nos ovos das fêmeas dos animais, e tendo cozido estas últimas, nós encontramos a mesma cor, sabor e consistência que a clara dos ovos das aves.

Não é importante o fato de os ovos das fêmeas dos animais não serem cobertos por uma casca dura, como nas aves. Eles não têm necessidade de estar cobertos no interior do útero, onde estão abrigados, no interior do corpo da mãe, de todas as injúrias e onde estão bem melhor do que os ovos das aves que são incubados fora e acabam não sendo protegidos por sua casca. Mas, antes de passar adiante, precisamos examinar se os ovos são encontrados em fêmeas de todos os tipos de animais e como podem ser distinguidos das hidátides.

Nós podemos dizer, sem receio de nos enganar, que as fêmeas de todos os tipos de animais possuem ovos. Eles são encontrados não somente nas aves e nos peixes tanto ovíparos quanto vivíparos, mas também nas fêmeas dos quadrúpedes [mamíferos] e nas mulheres. Em relação às aves e peixes ninguém duvida que eles nasçam de ovos. Para provar nossa proposição basta relatar o que temos encontrado nas dissecações de quadrúpedes. Esses ovos aparecem nas coelhas, lebres, cadelas, porcas, ovelhas, vacas e outras sob a forma de pequenas vesículas semelhantes aos germes dos ovos das aves, e como eles se distribuem sobre a superfície dos testículos, são vistos através da túnica comum que os envolve, a qual eles empurram e erguem como se a quisessem perfurar para sair.

O tamanho desses ovos é diferente em cada espécie. Os das coelhas e das lebres não são maiores que os grãos de rabanete, os das porcas e ovelhas são do tamanho de uma ervilha, os das vacas são maiores do que cerejas. Mas, diferente desses tamanhos, são encontrados nesses mesmos animais outros de diversos tamanhos menores e alguns tão pequenos que mal podemos enxergá-los. A idade e o coito ocasionam grandes mudanças nos ovos, pois nas fêmeas jovens eles são menores do que nas de idade avançada e após o coito há um ou mais, dependendo do número de filhotes que a fêmea deva fazer nessa ninhada, muito grandes. Esses ovos ocorrem em tão grande número que eu cheguei a contar mais de 20 em cada testículo, todos cheios de um licor muito puro. Essas experiências me fazem conjecturar que os mesmos ovos seriam encontrados em outras espécies de animais que eu nunca tive a oportunidade de dissecar. Eu solicitei ao sábio Sr. Sténon que me contasse das observações que realizou sobre os testículos das fêmeas de espécies que me faltavam. Ele me forneceu toda a satisfação que eu podia esperar de um homem galante. Ele certificou-me de que havia encontrado semelhantes ovos de diferentes tamanhos nas fêmeas de veados, de porcos da Índia, de texugos, de cervos, de lobos, de jumentos e mesmo nas mulas e em diversos outros tipos de animais. Ora, tais observações junto às minhas não são mais do que suficientes para nos fazer concluir que todas as fêmeas de qualquer espécie de animal possuem ovos?

De que servem esses ovos para as mulas, dirão, se elas são incapazes de se reproduzir? Na medida em que o útero, os testículos e as outras partes da geração se encontram tanto nos animais estéreis como nos mais fecundos, isso mostra que há outras razões para a sua esterilidade, como a má conformação desses órgãos, a matéria dos ovos pouco apropriada à concepção ou qualquer outra causa que se costuma atribuir à esterilidade.

Como dissemos acima que às vezes se encontram, na substância dos testículos das fêmeas, ou nas suas membranas, pequenas vesículas muito semelhantes aos ovos, é necessário aprender a distingui-los e marcar as diferenças.

Esses tipos de vesículas, chamadas de hidátides, possuem normalmente duas túnicas. A interna, ainda que muito fina, se separa bem facilmente da externa, e o licor encerrado no interior dessas túnicas não endurece com a cocção. As túnicas comuns dos ovos, ao contrário, não se separam senão com muita dificuldade e seu licor endurece ao fogo. Assim, ao cozinhar as vesículas, se o licor endurecer, são ovos, se permanecer líquido, são hidátides. Acrescente-se que estas são muitas vezes fixadas às membranas dos testículos por meio de uma cauda, o que jamais foi notado nos ovos verdadeiros.

Estes [ovos verdadeiros] são gerados e se desenvolvem no interior dos testículos, da mesma maneira que as gemas dos ovos nos ovários das aves, por meio do sangue que chega aos testículos através das artérias preparantes – o qual deixa na sua substância membranosa a matéria própria para engendrá-los e alimentá-los, enquanto o resto retorna ao coração pelas veias preparantes ou pelos vasos linfáticos; quando os ovos adquirem seu tamanho natural, eles são revestidos por diversas túnicas ou bolsas, entre as quais se forma imediatamente certas matérias glandulares que compõem a substância dos pequenos globos, que nós descrevemos acima. Nós diremos à seguir por qual objetivo as coisas se passam assim.

A utilidade dos testículos das fêmeas é, portanto, a de engendrar os ovos, de nutri-los e conduzi-los à maturidade. Em uma palavra, eles possuem a mesma função que os ovários das aves. Eles seriam muito melhor denominados ovários que testículos, uma vez que não possuem qualquer relação com os testículos dos machos, nem pela forma nem pelas matérias que contêm. Essa falta de semelhança levou a que muitos anatomistas os tomassem por peças inúteis, porque eles não conheciam de que maneira contribuíam à geração. Os contornos maravilhosos dos vasos preparantes mostram bem a necessidade dos testículos, assim como a castração das fêmeas, que é infalivelmente seguida da esterilidade. Uma vez que Warton diz que os animais bovinos concebem se forem copulados imediatamente após terem os testículos cortados, isso não pode ser verdade senão para os machos, nos quais as vesículas seminais podem ser preenchidas de sementes, mas não com relação às fêmeas que não possuem essas vesículas. A proposição de Hoffman10 é também contrária à verdade como seria fácil mostrarmos, se Warton já não o tivesse feito. Nós explicaremos no próximo capítulo a maneira pela qual os ovos se tornam fecundos e como eles descem no interior do útero.

[...]

File:Ovary.Graaf.jpg

Figura: Ilustração do ovário por Regnier de Graaf.

Fonte: Disponível em http://en.wikipedia.org/wiki/Regnier_de_Graaf

NOTAS DE RODAPÉ:

1 Um dracma (drachme) é uma antiga moeda grega que pesava um oitavo de uma onça, sendo o termo usado nos séculos XVII e XVIII, para designar essa medida (Dictionnaire de l’Académie française, 5ª Ed. 1798, e 6ª Ed., 1835). Equivale a aproximadamente 3,24 g (Émile Littré, dictionnaire de la langue française, 1872). (Nota das tradutoras)

2 O escrúpulo era um peso usado em balanças, que valia 24 partes de uma onça (Dictionnaire de l’Académie française, 1ª edição, 1694), ou seja, aproximadamente 1,3 g. (Nota das tradutoras)

3 Possivelmente Johannes Schenck (1530-1598), médico alemão que publicou um compêndio sobre condições patológicas de várias partes do corpo humano. (Nota das tradutoras)

4 Jean Riolan, o jovem (1580-1657), médico e anatomista da Faculdade de Medicina de Paris. (Nota das tradutoras)

5 Claudio Galeno (129 ou 131-199, 201 ou 216), médico e filósofo romano, de origem grega. (Nota das tradutoras)

6 Preparantes, termo de anatomia que se refere unicamente aos vasos que servem à preparação da semente e por essa razão são chamados vasos preparantes, em contraste aos que são chamados deferentes (Dictionnaire de l’Académie française, 4ª ed., 1762). (Nota das tradutoras)

7 Antiga unidade de medida francesa equivalente a três pés e sete polegadas equivalente a 1,182m (Émile Littré, Dictionnaire de la langue française, 1872). (Nota das tradutoras)

8 André Vesálio (1514-1564); Gabriel Falópio (1523-1562); Volcher Coiter (1534-1600); Laurêncio = André Dulaurens (morto em 1609); Étienne Rodrigues Castro (1559-1637); deve se tratar de Thomas Bartholin (1616-1680); Vvarton = Wartonou Wharton (1614-1673) (Nota do editor)

9 Johann Van Horne (1621-1670), cirurgião inglês. (Nota do editor)

10 Caspard Hofmann (1572-1648) pensava que o sangue menstrual correspondia à semente feminina e contribuía com a formação do embrião. (Nota do editor)

 

 

Citação bibliográfica deste artigo:

JENSEN, Gerda Maisa & PRESTES, Maria Elice Brzezinski. Regnier de Graaf e a descoberta dos ovos feminos. Boletim de História e Filosofia da Biologia 5 (4): 15-20, dez. 2011. Versão online disponível em: <http://www.abfhib.org/Boletim/Boletim-HFB-05-n4-Dez-2011.pdf>. Acesso em dd/mm/aaaa. [colocar a data de acesso à versão online]

 


Objetivos do Boletim

O objetivo do “Boletim de História e Filosofia da Biologia” é divulgar informações de interesse dos pesquisadores e estudantes interessados em história e filosofia da Biologia. Com periodicidade trimestral, este Boletim traz informações atualizadas sobre congressos e outros eventos relevantes (no Brasil e no exterior), novas publicações da área (livros e revistas), informações sobre teses e dissertações, informes sobre as atividades da Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB), bem como artigos curtos, descritos abaixo.

Poderão ser publicados no “Boletim de História e Filosofia da Biologia” artigos assinados (curtos) que discutam temas gerais de interesse da área como, por exemplo, a metodologia da pesquisa em história e filosofia da biologia, ou o uso da história e filosofia da biologia no ensino; bibliografias comentadas sobre tópicos específicos de história e filosofia da biologia; e textos de divulgação. Podem também ser publicadas resenhas, assinadas, de livros recentes sobre história e/ou filosofia da biologia. Os artigos devem ser submetidos aos Editores deste Boletim (ver endereços no Expediente, ao final deste número). Todos os artigos submetidos devem ser elaborados tendo em vista os padrões acadêmicos usuais.

 

Boletim de História e Filosofia da Biologia    ISSN 1982-1026

Expediente. O “Boletim de História e Filosofia da Biologia” é uma publicação trimestral da Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB), iniciado em Setembro de 2008. Editores: Maria Elice Brzezinski Prestes, eprestes@ib.usp.br (Universidade de São Paulo); Lilian Al-Chueyr Pereira Martins, lacpm@uol.com.br (Universidade de São Paulo/Ribeirão Preto); Aldo Mellender de Araújo, aldomel@portoweb.com.br (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e Waldir Stefano, stefano@mackenzie.com.br (Universidade Presbiteriana Mackenzie e Universidade Cruzeiro do Sul).

Endereço eletrônico: boletim@abfhib.org. URL: http://www.abfhib.org/Boletim/.

 

Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB)

Presidente: Maria Elice Brzezinski Prestes (Universidade de São Paulo)

Vice-Presidente: Lilian Al-Chueyr Pereira Martins (Universidade de São Paulo/Ribeirão Preto)

Secretário: Waldir Stefano (Universidade Presbiteriana Mackenzie e Universidade Cruzeiro do Sul)

Tesoureiro: Marcia das Neves (Secretaria Municipal de Educação de São Paulo)

Conselho:

Ana Maria de Andrade Caldeira (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho)

Anna Carolina Regner (Universidade do Vale dos Sinos)

Antonio Carlos Sequeira Fernandes (Universidade Federal do Rio de Janeiro/Museu Nacional)

Charbel Niño El-Hani (Universidade Federal da Bahia)

 http://www.abfhib.org