ISSN 1982-1026

Boletim de História e Filosofia da Biologia

Volume 8, número 1

Março de 2014

 

Publicado pela Associação Brasileira de

Filosofia e História da Biologia (ABFHiB)

http://www.abfhib.org

 

  Sumário:

1.    Encontro de História e Filosofia da Biologia 2014 (EHFB 2014)

2.    Dissertações recentes da área de História e Filosofia da Biologia

3.    Resenha de livro da área: “Aprendendo ciência e sobre sua natureza: abordagens históricas e filosóficas”, organizado por Cibelle Celestino Silva e Maria Elice Brzezinski Prestes, por Roberto de Andrade Martins.

4.    Traduções de fontes primárias de História da Biologia: “Concepções sobre os animais no século XII: os bestiários”, por Pedrita Fernanda Donda, Giselle Alves Martins e Lilian Al-Chueyr Pereira Martins.

0B1. encontro de História e filosofia da Biologia 2014

 

O Encontro de História e Filosofia da Biologia 2014 (EHFB 2014), promovido pela Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB), será realizado na Universidade de São Paulo, campus de Ribeirão Preto (USP-RP), com apoio da FFCLRP/USP, Programa de Pós-Graduação em Biologia Comparada e Programa de Pós-Graduação em Entomologia da FFCLRP/USP e da Fapesp, de 06 a 08 de agosto de 2014.

A palestra de Abertura será proferida por:

Marsha Richmond

Department of History – Wayne University

Detroit - MI

As inscrições para apresentação de trabalhos estão abertas até 15 de abril.

Mais informações do Encontro de História e Filosofia da Biologia 2014 podem ser consultadas no site da ABFHIB. Clique aqui.

 

1B2. Dissertações recentes da área de história e filosofia da biologia

BITTENCOURT, Fabricio Barbosa. O tratamento dado à história da biologia nos livros didáticos brasileiros recomendados pelo PNLEM-2007: análise das contribuições de Gregor Mendel. São Paulo, 2013. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Instituto de Física, Instituto de Química, Instituto de Biociências, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Orientadora: Maria Elice Brzezinski Prestes.

Resumo. Esta pesquisa tem o objetivo de analisar o conteúdo histórico presente, assim como sua disposição, nos livros didáticos brasileiros de Biologia recomendados pelo Plano Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio (PNLEM) de 2007. A fim de realizar essa análise foi selecionado um episódio relativo à História da Genética que se supunha, dada sua relevância, estar presente nos nove livros que compõem a lista citada: as contribuições de Gregor Mendel (1822-1884). Um segundo objetivo da pesquisa é o de fornecer um material histórico de apoio ao professor que optar por trabalhar com esse episódio em suas aulas. Nessa etapa foi seguida metodologia de pesquisa de História das Ciências, caracterizada pela análise de fontes primárias à luz de fontes secundárias. O método de trabalho para análise do conteúdo de cunho histórico consistiu na adoção, acompanhada de adaptação, de um protocolo já utilizado pela literatura da área. Trata-se de uma ferramenta de análise que leva em conta aspectos quantitativos e qualitativos da informação histórica disponibilizada. Os aspectos que foram analisados nas narrativas históricas selecionadas foram: contexto epistêmico; contexto não epistêmico; vida dos personagens; características dos personagens; comunidade de estudiosos, abordagem de ideias; desenvolvimento da ciência. Para cada inserção detectada por essa ferramenta foi analisada a sua disposição no texto, podendo: fazer parte de seção específica de caráter histórico, constituir uma seção introdutória do capítulo, estar distribuída ao longo do texto, ou, ainda, limitada a caixas de texto. Os resultados obtidos mostram que, ainda que presente na maioria dos livros analisados, a abordagem histórica permanece mantendo vícios historiográficos, além de equívocos históricos, que já foram largamente discutidos na História da Ciência desde meados do século XX e que são descritos nessa pesquisa. Além disso, é possível que embora um livro apresente conteúdo histórico adequado, o mesmo possa estar disponibilizado de maneira não dialogada com o texto científico, podendo, assim, diminuir o objetivo educacional pretendido, fato constatado em um dos livros. Como conclusão final, sugere-se aos professores que adotam esses livros que façam uma leitura crítica desses textos junto aos alunos, por meio de discussões meta-científicas que explicitem os efeitos de tais abordagens sobre a compreensão da Natureza da Ciência (NdC).

Palavras-chave: História da Ciência; História da Genética; Gregor Mendel; Natureza da Ciência; livro didático; PNLEM.

SIÃO, José Franco Monte. Os estudos com drosófilas no Instituto de Biociências da USP nas décadas de 1940 e 1950: entrevistas com docentes. São Paulo, 2013. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Instituto de Física, Instituto de Química, Instituto de Biociências, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Orientadora: Maria Elice Brzezinski Prestes.

Resumo: Esta pesquisa aborda o episódio histórico do grupo que institucionalizou a genética de populações com drosófilas no Brasil, a partir de 1943. Este grupo fez parte do Departamento de Biologia Geral da antiga Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (FFCL/USP), e teve como expoentes André Dreyfus (1897-1952) e Theodosius Dobzhansky (1900-1975). O objetivo desta pesquisa é analisar este episódio mediante o cotejamento de uma síntese, fruto de estudos anteriores realizados por este autor (SIÃO, 2007; SIÃO 2008), com cinco entrevistas realizadas com docentes do atual Departamento de Genética e Biologia Evolutiva do Instituto de Biociências da USP, que tiveram contato direto ou indireto com os pesquisadores que atuaram no referido grupo, entre as décadas de 1940 e 1950. A opção metodológica adotada para as entrevistas foi a da História Oral conforme proposto por Meihy e Holanda (2010). Segundo essa abordagem, as entrevistas passam por um tratamento composto de três fases, a saber, transcrição, textualização e transcriação. Em seguida, é realizada a devolutiva social, que é a devolutiva da transcriação ao colaborador entrevistado para validá-la mediante carta de cessão e autorização de o que vem a constituir a apresentação pública do material e serve de subsídio para a elaboração da narrativa histórica da pesquisa. As entrevistas tiveram como objetivos analisar os seguintes aspectos: o percurso histórico dos docentes entrevistados no Departamento de Genética e Biologia Evolutiva; a percepção dos docentes entrevistados sobre o episódio da parceria entre Dobzhansky e Dreyfus para o desenvolvimento da genética no Instituto de Biociências da USP e no Brasil, nas décadas de 1940 e 1950; as contribuições específicas que o grupo teria realizado naquele período; o papel do ensino de genética de populações a alunos do ensino médio da educação básica; e, por fim, o papel da História da Ciência no Brasil na educação científica. Na análise das entrevistas pode-se constatar que os colaboradores, incluindo os que não tiveram contato direto com os pesquisadores da época, mostraram conhecimento do histórico do Departamento, apresentando detalhes que correspondem aos dados das fontes escritas. Ressaltaram a relevância da parceria entre Dreyfus e Dobzhansky à institucionalização da genética animal no Brasil, bem como, apresentaram outros temas de pesquisa desenvolvida à época que consideram terem sido importantes na consolidação do grupo. Entre as pesquisas, mencionaram os estudos de polimorfismo e preferência nutricional desenvolvidos por Antonio Brito da Cunha (1925-), os estudos com a Rhynchosciara realizados por Crodowaldo Pavan (1919-2009) e Martha Erps Breur (1902-1977), o envolvimento de alguns membros com a genética humana, como foi o caso de Oswaldo Frota-Pessoa (1917-2010), Newton Freire-Maia (1918 -2003) e Francisco Mauro Salzano (1928-). Sobre o ensino, apontaram algumas dificuldades em trabalhar, por exemplo, o tema de genética de populações com alunos da Educação Básica. Todos os colaboradores disseram que a história da ciência tem papel relevante no ensino de ciências. Além dos resultados específicos, a pesquisa propiciou um recurso documental em história oral, as entrevistas, para ser utilizado por professores e pesquisadores como fonte às pesquisas em história da ciência no Brasil.

Palavras-chave: História da Ciência no Brasil; História das Instituições; História Oral; História da Genética de Populações de Drosófilas; Ensino de Biologia.

SILVA, Tatiana Tavares da. Darwin na sala de aula: replicação de experimentos históricos para auxiliar a compreensão da teoria evolutiva. São Paulo, 2013. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Instituto de Física, Instituto de Química, Instituto de Biociências, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Orientadora: Maria Elice Brzezinski Prestes.

Resumo: Esta dissertação, inserida em linha de pesquisa de “História, Filosofia e Cultura no Ensino de Ciências” trabalhou com a temática replicação de experimentos históricos. A pesquisa, caracterizada por uma abordagem inclusiva da História da Ciência no ensino de Biologia foi orientada pelos seguintes objetivos: 1) desenvolver o estudo de um episódio histórico, sobre experimentos de dispersão de sementes e seu papel na teoria evolutiva de Charles Darwin, descritos no seu livro A origem das espécies; 2) desenvolver um estudo empírico por meio da elaboração, validação, aplicação e avaliação de uma Sequência Didática; 3) promover a replicação dos experimentos de Darwin como uma ferramenta facilitadora da aprendizagem da teoria de evolução dos seres vivos; e 4) promover uma abordagem reflexiva de aspectos metacientíficos, particularmente do papel da imaginação e criatividade nas etapas de investigação. O estudo do episódio histórico gerou um material que pode servir de subsídio para o professor que sinta motivado a desenvolver trabalho semelhante em sala de aula, bem como para seus próprios estudantes. Foram produzidos materiais instrucionais e utilizou-se diferentes estratégias didáticas para a Sequência Didática. O estudo empírico foi aplicado em duas turmas de 2º ano do Ensino Médio, de uma escola particular, na cidade de São Paulo, no primeiro semestre de 2012. Entre as contribuições e desafios dessa pesquisa para a área de ensino de Ciências e História da Biologia, destacam-se: evidências de que a abordagem histórica é motivadora e facilitadora da aprendizagem; a diversidade de atividades propostas foi citada como importante para a aprendizagem e algumas concepções de que os experimentos são instrumentos de comprovação científica.

Palavras-chave: Charles Darwin; Ensino de Ciências; replicação de experimentos históricos; História da Biologia; evolução.

GILGE, Marcelo Viktor. História da Biologia e ensino: contribuições de Ernst Haeckel (1834-1919) e sua utilização nos livros didáticos aprovados pelo PNLD 2012 – Ensino Médio. São Paulo, 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas, Biologia/Genética) – Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. Orientadora: Maria Elice Brzezinski Prestes.

Resumo: Ernst Haeckel (1834-1919) foi um dos grandes nomes da ciência alemã na segunda metade do século XIX e início do século XX. Parte de sua produção científica foi devotada a defender e divulgar as ideias darwinianas de modificação das espécies. Entre as ideias propostas por Haeckel, destaca-se a Lei Biogenética Fundamental, na qual ele afirmava que os estágios de desenvolvimento pelos quais passam os embriões recapitulam a história evolutiva do filo. Para mostrar esse fato, Haeckel utilizou ilustrações de embriões que geraram grande repercussão. As imagens presentes na obra Natürliche Schöpfungsgeschichte (1868) foram alvo de críticas e acusações de fraude e plágio. Apesar da importância histórica dessas ilustrações, esse episódio raramente é abordado nos livros didáticos de Biologia aprovados pelo PNLD 2012 – Ensino Médio. O presente trabalho teve como objetivo discutir o uso que Ernst Haeckel fez dessas ilustrações de embriões em sua obra Natürliche Schöpfungsgeschichte, bem como as reações geradas pelo uso dessas imagens. Além disso, este trabalho apresenta uma análise dos livros didáticos de Biologia aprovados pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) 2012 – Ensino Médio sobre a forma como a biografia e a produção científica de Ernst Haeckel são abordadas. Essa análise revelou que a vida e os trabalhos de Ernst Haeckel são citados em todas coleções aprovadas pelo PNLD 2012 – Ensino Médio, porém de maneira superficial e com incorreções de pequena monta na maioria dos casos.

Palavras-chave: Ernst Haeckel; História da Biologia; Livro didático; PNLD.

3. RESENHA DE LIVRO DA ÁREA: “Novo livro: Aprendendo ciência e sobre sua natureza: abordagens históricas e filosóficas

Roberto de Andrade Martins

Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

roberto.andrade.martins@gmail.com

 

Aprendendo ciência e sobre sua natureza: abordagens históricas e filosóficas (ISBN 978-85-66568-01-1)

Acaba de ser publicado um livro que contém uma seleção dos trabalhos apresentados em dois eventos realizados em 2010, sobre uso de história, filosofia e sociologia da ciência no ensino de ciências:

SILVA, Cibelle Celestino; PRESTES, Maria Elice Brzezinski (orgs.). Aprendendo ciência e sobre sua natureza: abordagens históricas e filosóficas. São Carlos: Tipographia, 2013.

552 páginas, ISBN 978-85-66568-01-1

Disponível para compra no site da Tipographia:

https://tinyurl.com/ABFHiB-1

As duas conferências internacionais que deram origem a este livro foram organizadas pela Universidade de São Paulo (USP) com apoio da FAPESP, da CAPES e de instituições internacionais. Foram realizadas em Maresias, SP, no período de 16 a 21 de agosto de 2010: a 8ª Conferência Internacional sobre História da Ciência na Educação em Ciências (8th ICHSST), e a 1ª Conferência Latino-Americana do Grupo Internacional de História, Filosofia e Ensino de Ciências (1st IHPST-LA). Esses dois eventos reuniram cerca de 200 pesquisadores, havendo a apresentação de 184 trabalhos. Desses, foi feita uma rigorosa seleção, de onde resultou o presente livro, que contém 38 trabalhos.

Essa obra, como um todo, apresenta uma excelente visão sobre avanços recentes relativos à interface entre história, filosofia e sociologia da ciência e o ensino de ciências. É claro que tem um caráter amplo; apenas uma pequena parcela dos artigos publicados se refere diretamente à Biologia. No entanto, muitos outros trabalhos são de interesse geral, sendo também de grande importância para aqueles que se dedicam ao uso de história e filosofia da Biologia na educação.

Escritos em português, espanhol e inglês, os 38 capítulos do livro discutem, ao longo das suas 552 páginas, seis grandes temas: (I) episódios históricos; (II) tópicos de filosofia e sociologia da ciência; (III) natureza da ciência; (IV) aplicações em sala de aula; (V) materiais instrucionais; (VI) formação de professores e currículo. O conjunto fornece perspectivas teóricas e práticas diversificadas para a promoção da utilização da História, Filosofia e Sociologia da Ciência na formação em ciências, no ensino básico e superior.

O Sumário completo do livro está disponível abaixo. Para quem quiser encontrar os capítulos mais diretamente ligados à história e filosofia da Biologia, os seus números são estes: 5, 17, 32, 33. No entanto, muitos outros artigos desta obra são de grande importância para os interessados de todas as áreas. Com algumas exceções, podemos considerar que as partes (I), (II), (V) e (VI) do livro contêm trabalhos mais específicos, relacionados a áreas científicas delimitadas; e que as partes (III) e (IV) apresentam contribuições de interesse amplo. Gostaria de chamar a atenção para o capítulo 30, de William McComas: “Uma proposta de classificação para os tipos de aplicação da história da ciência na formação científica: implicações para a pesquisa e desenvolvimento”, que coloca à disposição dos leitores de língua portuguesa uma visão atualizada da contribuição do prof. McComas sobre esse tema.

 

SUMÁRIO

I. EPISÓDIOS HISTÓRICOS

1.        Theorizing and the Weight of Received Metaphysics – pág. 17

Alberto Cordero

2.        Recontextualização didática do modelo de Huygens na física escolar – pág. 29

Ana Carolina Staub de Melo, Frederico Firmo de Souza Cruz

3.        Midgley e a tabela periódica: o desenvolvimento de novas moléculas na primeira metade do século XX – pág. 43

Hélio Elael Bonini Viana, Paulo Alves Porto

4.        Motor de Ampère: elementos para um ensino crítico da física – pág. 55

João Paulo Martins Castro Chaib, André Koch Torres Assis

5.        Aprendiendo de la historia del racismo científico: conceptos de “competición interracial” y “extinción de razas” en el discurso sobre evolución humana (1859-1900) – pág. 71

Juan Manuel Sánchez Arteaga, Charbel Niño El –Hani

6.        Arrhenius and Armstrong: How active opponents in the history of chemistry became major contributors to modern electrolyte chemistry – pág. 83

Kevin C. de Berg

7.        Michael Faraday e a química: análise, síntese e reatividade – pág. 97

Paulo Alves Porto, José Otavio Baldinato, Jennifer Amanda Zsurger Nagy

8.        The law of inertia and vis insita: Newton and his sources – pág. 115

Roberto de Andrade Martins

9.        The history of the photoelectric effect as depicted in laboratory instructions – pág. 129

Stephen Klassen, Mansoor Niaz, Don Metz, Barbara McMillan, Sarah Dietrich

II. TÓPICOS DE FILOSOFIA E SOCIOLOGIA DA CIÊNCIA

10.    Um diálogo entre a Sociologia da Ciência e a Educação Matemática: a simetria e questão dos significados na matemática escolar – pág. 145

Denise Silva Vilela, Thales Haddad Novaes de Andrade

11.    Crítica à tentativa de definir o determinismo por meio do Demônio de Laplace – pág. 157

Douglas Ricardo Slaughter Nyimi, José Aquiles Baesso Grimoni

12.    Análise de um típico argumento místico-quântico – pág. 169

Osvaldo Pessoa Jr.

13.    Vieses cognitivos e suas consequências epistemológicas para o ensino de ciências e matemática – pág. 183

Renato Rodrigues Kinouchi, Plínio Zornoff Táboas

14.    O debate realismo/antirrealismo em situações de ensino de física, à luz da interface entre história e filosofia da ciência – pág. 193

Sonia Maria Dion, Marcus Vinícius Russo Loures

III. NATUREZA DA CIÊNCIA

15.    Controvérsias sobre a natureza da ciência na educação científica – pág. 209

Alexandre Bagdonas, Cibelle Celestino Silva

16.    Whither the VNOS? – pág. 219

David W. Rudge, Eric M. Howe

17.    Comparação das ferramentas VNOS-C e VOSE para obtenção de concepções de alunos do IB/USP acerca da Natureza da Ciência – pág. 229

João Paulo Di Monaco Durbano, Maria Elice Brzezinski Prestes

18.    Abordando a Natureza da Ciência na formação de professores de física: desafios e perspectivas – pág. 245

Juliana Mesquita Hidalgo Ferreira

19.    Aspectos da natureza das Ciências em sala de aula: exemplos do uso de textos científicos em prol do processo de Alfabetização Científica dos estudantes – pág. 259

Lúcia Helena Sasseron, Viviane Briccia, Anna Maria Pessoa de Carvalho

20.    Concepciones epistemológicas y enseñanza de las ciencias – pág. 271

María B. García, Silvia Vilanova, Sofía Sol Martín

21.    Representaciones sobre los procedimientos científicos en el discurso de los docentes de ciencias de secundaria – pág. 291

María Teresa Guerra-Ramos

22.    Naturaleza de la ciencia: Acuerdos teóricos en la comunidad iberoamericana de didáctica de las ciencias – pág. 303

Rafael Yecid Amador Rodríguez, Agustín Adúriz Bravo

23.    Entre o discurso e a prática sobre História, Filosofia e Natureza da Ciência e a sala de aula de Física: um panorama a partir dos eventos de Ensino de Física – pág. 313

Rilavia Almeida de Oliveira, Ana Paula Bispo da Silva

IV. APLICAÇÕES EM SALA DE AULA

24.    Students’ beliefs about the diachronic nature of science: a metaphor-based analysis of 8th-graders’ drawings of “the way of science” – pág. 327

Andreas Henke, Dietmar Höttecke

25.    Historia y actividad experimental: una discusión relevante que interpela la enseñanza – pág. 357

Carola Astudillo, Alcira Rivarosa, Félix Ortiz

26.    Divulgação do episódio da expedição do francês Pierre Couplet em aulas de física no PROEJA – pág. 371

Cassiana Barreto Hygino Machado, Marília Paixão Linhares

27.    Story interrupted: using History and Philosophy of Science in everyday instruction – pág. 383

Don Metz

28.    Shadows of Light and History in Explorative Teaching and Learning – pág. 391

Elizabeth Cavicchi

29.    Estudo de cosmologia moderna no ensino médio através da história da física: diálogos interdisciplinares – pág. 405

José Claudio Reis, Andreia Guerra, Marco Braga

30.    Uma proposta de classificação para os tipos de aplicação da história da ciência na formação científica: implicações para a pesquisa e desenvolvimento – pág. 419

William McComas

V. MATERIAIS INSTRUCIONAIS

31.    Presencia de la visión a histórica y aproblemática de la ciencia en la enseñanza del concepto elemento químico – pág. 445

Dulce María López Valentín

32.    O tratamento dado à História da Biologia nos livros didáticos brasileiros recomendados pelo PNLEM-2007: análise das contribuições de Gregor Mendel – pág. 455

Fabricio Barbosa Bittencourt, Maria Elice Brzezinski Prestes

33.    Análise da genética clássica nos livros didáticos do ensino superior e implicações para a formação de professores de Ciências Naturais – pág. 471

Gilberto Oliveira Brandão, Louise Brandes Moura Ferreira

34.    Do fazer ao pensar quimicamente: a química e seu ensino através de livros didáticos do século XX – pág. 481

Karina Aparecida de Freitas Dias de Souza, Paulo Alves Porto

VI. FORMAÇÃO DE PROFESSORES E CURRÍCULO

35.    Historia de la Ciencia en la formación profesional docente. Aportes y debates para la enseñanza de la Electroquímica – pág. 507

Johanna Camacho González, Mercé Izquierdo, Núria Solsona

36.    Hacia una reconstrucción del currículo de la química – pág. 519

José Antonio Chamizo, Andoni Garritz

37.    Análise de práticas pedagógicas realizadas em atividades de formação continuada de professores de Física: limites e possibilidades – pág. 529

Sandra Regina Teodoro Gatti, Roberto Nardi

38.    De la filosofía de la ciencia a la filosofía de la psicología: avatares en un cambio curricular – pág. 543

Zuraya Monroy-Nasr, Rigoberto León-Sánchez, Germán Alvarez-Díaz de León, Kirareset Barrera García, Fernando Flores Camacho, Leticia Gallegos Cázares, Elena Calderón Canales

 

Citação bibliográfica deste artigo:

MARTINS, Roberto de Andrade. Novo livro: Aprendendo ciência e sobre sua natureza: abordagens históricas e filosóficas. Boletim de História e Filosofia da Biologia 8 (1): 4-8, mar. 2014. Versão online disponível em <http://www.abfhib.org/Boletim/Boletim-HFB-08-n1-Mar-2014.pdf>. Acesso em dd/mm/aaaa. [colocar a data de acesso à versão online]

 

4. traduções de fontes primárias de história da biologia:  Concepções sobre os animais no século XII: os bestiários

Pedrita Fernanda Donda

FFCLRP-USP

pedritadonda@gmail.com

 

Giselle Alves Martins

 FFCLRP-USP

gisellealvesmartins@gmail.com

 

Lilian Al-Chueyr Pereira Martins

FFCLRP-USP

lilian.pereira.martins@gmail.com

 

O texto aqui traduzido faz parte de um bestiário medieval. Os bestiários eram as obras que tratavam especificamente sobre animais e suas origens remontam à Antiguidade e estão relacionadas ao texto grego conhecido como Physiologus, (“Filósofo natural” ou “Naturalista”). Traduzidos para vários idiomas, entre eles etíope e árabe, os bestiários medievais estão relacionados mais diretamente à tradução feita para o latim durante o século V. Muito populares nos séculos XII e XIII na Inglaterra, destacavam-se por suas ilustrações. Essas obras inicialmente discutiam principalmente sobre o comportamento, mas também encerravam passagens mitológicas e folclóricas sobre cerca de quarenta ou cinquenta animais. Com o passar do tempo, o número de animais descritos foi aumentando e na Idade Média, durante o século XII, praticamente dobrou, apresentando a divisão em Feras, Répteis e Peixes. Como se pode perceber, os trechos que se seguem, incluídos na divisão Feras, trazem informações tanto sobre animais existentes como sobre animais mitológicos ou fantásticos. Além disso, fazem relações com o pensamento cristão. O estilo dos bestiários difere bastante do estilo das obras em que Aristóteles (384-322 a.C.) tratou dos animais. Uma das diferenças é que Aristóteles não apresentava descrições de animais mitológicos ou fantásticos. Ele fazia descrições da anatomia externa e interna dos animais, comparava as partes e órgãos de diversos animais e procurava explicar a fisiologia, como por exemplo, no caso da respiração.

Tradução:

Trecho de Anonimous, “Descriptions of animals of a twelfth century bestiary”. Pp. 647-650, in: E. Grant (ed.).  A Source Book in Medieval Science. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1974.

Fonte: http://www.fcsh.unl.pt/iem/medievalista/MEDIEVALISTA2/IMG-bestiario/03-bestiario.jpg

 

Há um animal chamado ELEFANTE, que não tem nenhum desejo de copular.

As pessoas dizem que ele é chamado de Elefante pelos gregos devido a seu tamanho que se aproxima da forma de uma montanha. Você vê, a montanha é chamada eliphio em grego. Nas Índias, no entanto, ele é conhecido como barrus por causa de sua voz – portanto, por sua voz é chamado de barítono e as presas são chamadas de marfim (ebur). Seu nariz é chamado de tromba (para os arbustos), por que, com ela, ele leva a folha comestível até sua boca e ela se parece com uma cobra.

Os elefantes se protegem com seus dentes de marfim. Não se pode encontrar animal maior. Os persas e indianos, colocam torres de madeira sobre eles e às vezes lutam um com o outro como se estivessem em um castelo. Eles [os elefantes] possuem inteligência e memória. Eles andam em bandos e copulam de costas (1).

Os elefantes permanecem grávidos durante dois anos. Eles não têm filhotes mais que uma vez, nem têm vários filhotes de uma só vez, mas apenas um. Eles vivem trezentos anos. Se um deles quer ter um filhote vai para o Leste na direção do Paraíso. Lá existe uma árvore chamada Mandrágora. E ele vai com sua esposa. Primeiro, ela arranca a árvore e dá um pouco dela para seu esposo. Quando eles mascam, isso os seduz, e ela imediatamente concebe em seu útero. Quando o tempo adequado para o nascimento chega, ela caminha para dentro de um lago, e a água vem até as tetas da mãe. O pai-elefante fica de guarda enquanto ela está em trabalho de parto por que existe um dragão que é inimigo dos elefantes. Além disso, se uma serpente aparece, o pai a mata esmagando-a até sua morte. Ele é também tremendo com touros – mas fica assustado com ratos [...].

A natureza do elefante é tal que se ele tomba, não consegue se levantar. Quando deseja dormir se apoia em uma árvore, pois suas pernas não se dobram (2). Esta é a razão pela qual o caçador serra uma árvore. Assim, o elefante que está apoiado sobre a árvore pode cair ao mesmo tempo em que ela (3). Enquanto ele cai, ele grita alto; e imediatamente um elefante grande aparece, mas ele não é capaz de levantá-lo. Nisso os dois gritam, e doze outros elefantes chegam; mas eles não conseguem levantar aquele que caiu. Então todos eles gritam por socorro, e logo chega um Elefante insignificante, e põe sua boca com a tromba sob o elefante maior e o levanta. Este pequeno elefante tem, além disso, a propriedade de que nada de mal ocorra próximo a seus pelos e ossos quando estiverem reduzidos a cinzas, nem mesmo por um Dragão.

Agora, o elefante e sua mulher representam Adão e Eva. Enquanto eles agradeciam a Deus, antes da tentação da carne, eles não sabiam nada sobre a cópula e nem tinham conhecimento do pecado. Entretanto, quando a esposa comeu da Árvore do Conhecimento, que é representada pela Mandrágora e deu um dos frutos ao homem, ela se tornou imediatamente uma viajante e eles tiveram que abandonar o paraíso por causa disso. Pois durante todo o tempo em que eles estiveram no paraíso, Adão não a conheceu. Mas então as Escrituras dizem: “Adão ficou com sua mulher e então ela concebeu e trouxe Caim, sobre as águas da tribulação”. Sobre essas águas os autores dos Salmos gritam: “Salve-me ó Deus, pois as águas entraram em minha alma”. E imediatamente o dragão as subverteu e as fez estranhas ao refúgio de Deus. Isso é o que ocorre a quem não agradece a Deus.

Quando o elefante grande chega, isto é, a Lei hebraica e não consegue se levantar após a queda, é o mesmo que ocorreu quando o Fariseu não foi bem sucedido com o amigo que caiu entre os ladrões. Nem mesmo os Doze elefantes, ou seja, o bando de profetas pode levantá-lo, até que o Levítico levantou o homem que mencionamos. Mas isto significa que o Senhor Jesus Cristo, embora fosse o maior se tornou o mais insignificante de todos os elefantes. Ele se humilhou e foi obediente, mesmo na morte, para poder elevar os homens.

O pequeno elefante também simboliza o Samaritano que colocou o homem em sua mula. Pois ele, ferido, levou embora nossas enfermidades e as retirou de nós. Além disso, este Samaritano celestial é interpretado como o Defensor sobre quem Davi escreve: “O Senhor defende os humildes”. Também com referência às cinzas do pequeno elefante: “Onde o Senhor está presente, nenhum demônio pode vir”.

É fato que os Elefantes esmagam tudo o que se enroscar em suas trombas. Como a queda de uma prodigiosa ruína, o que quer que eles que eles pisem, eles esmagam.

Eles nunca brigam com suas esposas, pois desconhecem o adultério. Existe neles uma gentileza. Se eles encontrarem um homem vagando nos desertos, eles se oferecem para leva-lo de volta até os caminhos que lhe sejam familiares. Se eles estão agrupados em manadas, abrem caminho com suas trombas suaves e plácidas. Eles evitam matar, com suas presas, algum animal no caminho. Se por acaso se envolvem em batalhas, tomam bastante cuidado com as vítimas e recolhem aqueles que estão feridos e cansados no meio do rebanho.

Fonte: http://bestiary-ru.livejournal.com/

Unicornis, o Unicórnio, que é também chamado de Rinoceronte pelos gregos, é da seguinte natureza.

Ele é um animal muito pequeno semelhante a uma criança, excessivamente veloz, com um chifre no meio de sua testa, e nenhum caçador pode pegá-lo. Mas ele pode ser pego através do seguinte estratagema.

A menina virgem é levada para onde ele espreita, e de lá ela vai sozinha até o bosque. Ele logo pula em seu colo quando a vê, e a abraça e, consequentemente, fica preso.

Nosso senhor Jesus Cristo é também espiritualmente um Unicórnio, e é dito sobre ele: “E ele era amado como o Filho dos Unicórnios”. E em outro salmo: “Ele ergueu um chifre de salvação para nós na casa de seu filho Davi”.

O fato de que ele tem justamente um chifre em sua cabeça significa o que ele disse: “Eu e o Pai somos Um”. Também, de acordo com o Apóstolo: “A cabeça de Cristo é o Senhor”.

Diz-se que ele é muito veloz por que nem os Principados, nem os Poderes, nem os Tronos, nem as Dominações puderam mantê-lo, nem pôde o Inferno encerrá-lo, nem o mais sutil Demônio prevaleceu para captura-lo ou compreendê-lo; mas somente pela providência do Pai, ele pôde ser removido para o útero da virgem para nossa salvação.

Ele é descrito como um animal minúsculo em relação à humildade de sua encarnação, como ele mesmo disse: “Aprendam comigo, por que eu sou meigo e humilde de coração”.

Ele se parece com uma criança ou bode expiatório por que o próprio Salvador foi feito à semelhança da carne pecadora, e ele condenou o pecado.

O Unicórnio frequentemente luta contra elefantes e os vence ferindo-os no estômago.

 

NOTAS DE FIM DE TEXTO:

(1) A cópula dos elefantes foi objeto de discussão durante a Idade Média, e ainda é, pois raramente é testemunhada. Solinus cita Plinio para dar uma ideia de que seus genitais como mencionou Sir  Thomas Browne em sua nota sobre as lebres, estão localizados nas costas. Supunha-se que sendo modestos, os elefantes preferiam olhar para o outro lado quando estavam nesta situação. Albertus Magnus considerava que eles copulavam como os outros quadrúpedes, mas que devido ao grande peso do marido ele tinha que cavar um buraco para a mulher ficar ou então flutuar sobre ela em um lago onde seu peso, naturalmente, seria menor [...]. [Nota de E. Grant]

(2) Nas descrições de Aristóteles, os elegantes conseguem dobrar suas pernas. [Nota de E. Grant]

(3) Julius Caesar, nas Guerras púnicas, apresenta um relato semelhante sobre os alces. [Nota de E. Grant]

 

Citação bibliográfica deste artigo:

DONDA, Pedrita Fernanda; MARTINS, Giselle Alves; MARTINS, Lilian Al-Chueyr Pereira. As concepções sobre animais no século XII: os bestiários. Boletim de História e Filosofia da Biologia 8 (1): 8-11, mar. 2014. Versão online disponível em <http://www.abfhib.org/Boletim/Boletim-HFB-08-n1-Mar-2014.pdf>. Acesso em dd/mm/aaaa. [colocar a data de acesso à versão online]

 

 

5BObjetivos do Boletim

O objetivo do “Boletim de História e Filosofia da Biologia” é divulgar informações de interesse dos pesquisadores e estudantes interessados em história e filosofia da Biologia. Com periodicidade trimestral, este Boletim traz informações atualizadas sobre congressos e outros eventos relevantes (no Brasil e no exterior), novas publicações da área (livros e revistas), informações sobre teses e dissertações, informes sobre as atividades da Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB), bem como artigos curtos, descritos abaixo.

Poderão ser publicados no “Boletim de História e Filosofia da Biologia” artigos assinados (curtos) que discutam temas gerais de interesse da área como, por exemplo, a metodologia da pesquisa em história e filosofia da biologia, ou o uso da história e filosofia da biologia no ensino; bibliografias comentadas sobre tópicos específicos de história e filosofia da biologia; e textos de divulgação. Podem também ser publicadas resenhas, assinadas, de livros recentes sobre história e/ou filosofia da biologia. Os artigos devem ser submetidos aos Editores deste Boletim (ver endereços no Expediente, ao final deste número). Todos os artigos submetidos devem ser elaborados tendo em vista os padrões acadêmicos usuais.

Boletim de História e Filosofia da Biologia    ISSN 1982-1026

Expediente. O “Boletim de História e Filosofia da Biologia” é uma publicação trimestral da Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB), iniciado em setembro de 2007, por Roberto de Andrade Martins. A partir de março de 2011 passou a ser editado por: Maria Elice Brzezinski Prestes, eprestes@ib.usp.br (Universidade de São Paulo); Lilian Al-Chueyr Pereira Martins, lilian.pereira.martins@gmail.com (Universidade de São Paulo/Ribeirão Preto); Aldo Mellender de Araújo, aldo1806@gmail.com (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e Waldir Stefano, stefano@mackenzie.br (Universidade Presbiteriana Mackenzie e Universidade Cruzeiro do Sul).

Endereço eletrônico: boletim@abfhib.org. URL: http://www.abfhib.org/Boletim/.

Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB)

Presidente: Maria Elice Brzezinski Prestes (Universidade de São Paulo)

Vice-Presidente: Charbel Niño El-Hani (Universidade Federal da Bahia)

Secretário: Frederico Felipe de Almeida Faria (Grupo Fritz Müller-Desterro de Estudos em Filosofia e História da Biologia, Universidade Federal de Santa Catarina)

Tesoureiro: Fernanda da Rocha Brando (Universidade de São Paulo/Ribeirão Preto)

Conselho:

Anna Carolina Regner (Universidade do Vale dos Sinos)

Antonio Carlos Sequeira Fernandes (Universidade Federal do Rio de Janeiro/Museu Nacional)

Lilian Al-Chueyr Pereira Martins (Universidade de São Paulo/Ribeirão Preto)

Waldir Stefano (Universidade Presbiteriana Mackenzie e Universidade Cruzeiro do Sul)

 

http://www.abfhib.org