Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia

 

“Filosofia e História da Biologia”

 

Edição impressa: ISSN 1983-053X

Edição eletrônica: ISSN 2178-6224

Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia
Apresentação Edições Equipe Normas Aquisição Busca

Filosofia e História da Biologia

"Thomas Hunt Morgan e seu novo ponto de vista sobre a determinação de sexo (1909-1913)"
Ana Paula Oliveira Pereira de Morais Brito
Filosofia e História da Biologia, volume 2, páginas 61-73, 2007

artigo em formato PDF

Resumo: No final do século XIX e início do século XX a determinação de sexo era um assunto que interessava bastante à comunidade científica. Havia várias teorias que procuravam explicá-la. Estas consideravam tanto fatores internos como externos. Dentre aquelas que consideravam os fatores internos, algumas admitiam que a determinação do sexo seguia os princípios mendelianos e/ou que os elementos responsáveis pelo sexo estivessem localizados nos cromossomos nucleares. Nos primeiros anos do século XX Thomas Hunt Morgan (1866-1945) considerava que o sexo dependia de fatores internos relacionados ao citoplasma, sendo favorável à epigênese. A partir de 1909-1910 passou a admitir que os cromossomos poderiam participar do processo, mas não como seus principais agentes. A partir de 1910-1911 Morgan passou a aceitar a teoria mendeliana-cromossômica que era preformacionista. No livro Heredity and sex (1913) ele defendeu que o sexo era determinado por um mecanismo interno, que seguia os princípios mendelianos, cujos principais agentes eram os cromossomos. O objetivo deste artigo é discutir os fatores que contribuíram para a mudança de posicionamento de Morgan sobre a questão, entre 1909 e 1913.
Palavras-chave: história da genética; Morgan, Thomas Hunt; determinação do sexo; cromossomos; herança citoplasmática

Thomas Hunt Morgan and his new viewpoint on sex-determination (1909-1913)

Abstract: In the end of the19th century and beginnings of the 20th century sex-determination was a subject that held high interest for the scientific community. There were several theories trying to explain it. Some theories took into account external factors while others referred to internal factors. Among the ones that supposed that sex-determination was due to internal factors, some accepted that it followed Mendelian patterns and/or that the elements related to heredity were located in the nuclear chromosomes. In the first years of 20th century Thomas Hunt Morgan (1866-1945) accepted that sex depended on internal factors related to cytoplasm, and was favorable to epigenesis. From 1909-1910 onwards he started admitting that chromosomes could take part on the process, but not as its main agents. From 1910-1911 onwards, Morgan accepted the Mendelian-chromosome theory of heredity which was preformationist. In the book Heredity and sex (1913) he claimed that sex was determined by an internal mechanism following Mendelian principles whose main agents were the chromosomes. The aim of this paper is to discuss the factors involved in Morgan's change of view on the subject, between 1909 and 1913.
Keywords: history of Genetics; Morgan, Thomas Hunt; chromosomes; cytoplasmic inheritance; sex-determination

Para ter acesso aos sumários de todos os volumes da revista Filosofia e História da Biologia, clique aqui.

 Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB)