Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia

 

“Filosofia e História da Biologia”

 

Edição impressa: ISSN 1983-053X

Edição eletrônica: ISSN 2178-6224

Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia
Apresentação Edições Equipe Normas Aquisição Busca

Filosofia e História da Biologia

"Lamarck, evolução orgânica e tempo: algumas considerações"
Lilian Al-Chueyr Pereira Martins; Ana Maria Haddad Baptista
Filosofia e História da Biologia, volume 2, páginas 279-296, 2007

artigo em formato PDF

Resumo: Nas diferentes versões de sua obra onde apresentou suas concepções acerca da evolução orgânica, publicadas a partir de 1800, Jean Baptiste Pierre Antoine de Monet, Chevalier de Lamarck (1744-1829), fez uma proposta inovadora sobre as relações entre os seres vivos e o tempo. O objetivo deste artigo é averiguar de que modo o tempo aparece na teoria de evolução orgânica de Lamarck; se houve modificações em seu pensamento a esse respeito, nas diferentes versões de sua teoria; se existem diferenças entre sua contribuição e outras propostas da época; bem como qual era sua concepção de temporalidade. Para o desenvolvimento desta análise foi necessário recorrer a outras concepções de tempo além das tradicionais, linear e cíclico. Este estudo levou à conclusão de que a concepção de tempo em Lamarck era linear, sendo o tempo dinâmico em relação às espécies, mas estático em relação às leis da natureza. Apesar de adotar uma concepção de tempo diferente de Lamarck, Cuvier também admitia o tempo linear. Enquanto para Lamarck o tempo era "contínuo", para Cuvier era "descontínuo". Enquanto para Lamarck o tempo era ativo, para Cuvier ele era passivo. Lamarck manteve a mesma idéia de temporalidade em todos os trabalhos de sua fase evolucionista. Além disso, sua visão de temporalidade foi adotada pelos evolucionistas que o sucederam.
Palavras-chave: filosofia da biologia; história da biologia; Lamarck, Jean-Baptiste; evolução orgânica; seres vivos; tempo; tempo linear; tempo cíclico; tempo contínuo; tempo descontínuo; tempo estático; tempo dinâmico

Lamarck, organic evolution and time: some considerations

Abstract: In his several works published from 1800 where he presented his ideas about organic evolution, Jean Baptiste Pierre Antoine de Monet, Chevalier de Lamarck (1744-1829), propounded something new concerning the relations between living beings and time. The aim of this paper is to analyze how the time concept appears in Lamarck's theory of organic evolution and whether there was any change in his thought in this respect in the different versions of his theory; whether there is any difference between his contribution and other proposals of that time, as well as Lamarck's concept of temporality. In order to develop this analysis it was necessary to appeal to other conceptions of time besides the traditional ones: linear time and cyclic time. This study led to the conclusion that Lamarck adopted a linear conception of time. His concept of time was dynamic considering the species but it was static considering the laws of nature. Although adopting a different conception of time comparing to Lamarck's one, Georges Cuvier (1769-1832) also admitted the linear time. Whereas time was "continuous" and active on Lamarck's view, it was "discontinuous" and passive in Cuvier's view. Lamarck kept the same view about temporality in all his works about evolution. Moreover, Lamarck's view of temporality was adopted by the evolutionists who came after him.
Keywords: philosophy of biology; history of biology; Lamarck, Jean Baptiste; organic evolution; living beings; linear time; cyclic time; continuous time; discontinuous time; static time; dynamic time

Para ter acesso aos sumários de todos os volumes da revista Filosofia e História da Biologia, clique aqui.

 Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB)