Peter Lund (1801-1880) e o questionamento do catastrofismo  

Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia

 

“Filosofia e História da Biologia”

 

Edição impressa: ISSN 1983-053X

Edição eletrônica: ISSN 2178-6224

Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia
Apresentação Edições Equipe Normas Aquisição Busca

Filosofia e História da Biologia

"Peter Lund (1801-1880) e o questionamento do catastrofismo"
Frederico Felipe de Almeida Faria
Filosofia e História da Biologia, volume 3, páginas 139-156, 2008

artigo em formato PDF

Resumo: Até a publicação dos trabalhos de Peter Wilhelm Lund (1801-1880), o estudo dos fósseis brasileiros pouco pôde contribuir para o desenvolvimento da Paleontologia. Após as descobertas de Lund, de fósseis de vertebrados da fauna cenozóica no interior de cavernas da região de Lagoa Santa (Minas Gerais, Brasil), os trabalhos desse naturalista dinamarquês possibilitaram uma compreensão bastante precisa da composição daquela fauna extinta, que, segundo o catastrofismo, não haveria convivido com a atual. Mesmo sendo em seu início de carreira um defensor dessa teoria, as investigações de Lund levaram-no a questioná-la, quando descobriu fósseis de seres extintos e atuais, inclusive de humanos, nos mesmos estratos geológicos, indicando, com isso, a sua contemporaneidade. Essa constatação contrariava a teoria catastrofista, a qual considerava que somente após a última catástrofe o ser humano havia se estabelecido em regiões como grande parte da Europa, da Ásia e da América. Essa premissa do catastrofismo também foi questionada por naturalistas europeus da mesma época, que também se basearam em descobertas de fósseis da fauna atual e de vestígios humanos associados a fósseis de animais extintos. Toda essa gama de novos dados criaria uma crise naquela que era uma das teorias mais aceitas pelos estudiosos pré-darwinianos dos fósseis.
Palavras-chave: história da paleontologia; Peter W. Lund; catastrofismo; fósseis

Peter Lund and the questioning of catastrophism

Abstract: Up to the publication of Peter Wilhelm Lund’s (1801-1880) works, the study of Brazilian fossils could contribute little to the development of Paleontology. After his discovery of vertebrate Cenozoic fauna fossils, inside caves in the region of Lagoa Santa (Minas Gerais, Brazil), his works allowed a fairly accurate understanding of the composition of that extinct fauna, which, according to catastrophism, would not have lived with the current one. Although, in his early career, he was a supporter of that theory, Lund’s inquiries led him to question it, when he discovered fossils of extinct and current beings, including humans, in the same geological strata, thus indicating their contemporaneity. This finding contradicted the catastrophist theory, which maintained that human beings had settled in regions such as Asia, America, and most of Europe only after the last catastrophe. This catastrophist premise was also questioned by European naturalists from the same period, which also were based on discoveries of fossil fauna and current human remains associated with fossils of extinct animals. All this range of new data would create a crisis in the catastrophist theory, which was one of the theories that scholars of fossils during the pre-Darwinian period most widely accepted.
Keywords: history of paleontology; Peter W. Lund; catastrophism; fossils

Para ter acesso aos sumários de todos os volumes da revista Filosofia e História da Biologia, clique aqui.

 Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB)