Os estudos de Joseph Priestley sobre os diversos tipos de "ares" e os seres vivos  

Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia

 

“Filosofia e História da Biologia”

 

Edição impressa: ISSN 1983-053X

Edição eletrônica: ISSN 2178-6224

Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia
Apresentação Edições Equipe Normas Aquisição Busca

Filosofia e História da Biologia

"Os estudos de Joseph Priestley sobre os diversos tipos de “ares” e os seres vivos"
Roberto de Andrade Martins
Filosofia e História da Biologia, volume 4, páginas 167-208, 2009

artigo em formato PDF

Resumo: Os livros didáticos costumam mencionar alguns experimentos realizados por Joseph Priestley (1733-1804) na década de 1770 envolvendo combustão, animais e plantas em recipientes fechados. De acordo com algumas obras, Priestley descobriu a fotossíntese, ou a produção de oxigênio pelas plantas e seu papel na respiração. A apresentação didática dos experimentos atribuídos a Priestley não apresenta nenhuma contextualização, não menciona o que ele estava procurando ou testando, e interpreta de forma anacrônica as conclusões tiradas dessas experiências. Além disso, a própria concepção de ciência que está implícita nessas descrições é equivocada. Este artigo apresenta uma versão mais adequada das pesquisas de Priestley e de sua relevância para a compreensão de alguns processos vitais, na época. Este episódio histórico, adequadamente exposto, permite apresentar aos estudantes vários conceitos importantes a respeito da natureza da ciência e da pesquisa, como a íntima relação entre estudos de diversos campos (no caso, entre química, medicina e história natural), as influências de idéias preconcebidas na pesquisa, as dificuldades que surgem ao se tentar compreender fatos novos e inesperados, as diferenças entre as interpretações do próprio Priestley e as aceitas hoje em dia, as contribuições de diversos pesquisadores, bem como o contexto mais amplo em que se situavam os experimentos descritos de forma tão simplista pelos livros didáticos.
Palavras-chave: Priestley, Joseph; fotossíntese; respiração; história da biologia; história da química

Joseph Priestley’s studies on different kinds of “air” and living beings

Abstract: Textbooks usually mention some experiments performed by Joseph Priestley (1733-1804) in the decade of 1770 involving combustion, animals and plants in closed containers. According to some of those works, Priestley discovered photosynthesis, or the production of oxygen by plants, and its role in respiration. The didactic presentation of the experiments assigned to Priestley does not describe its context, does not mention what he was looking for or testing, and the interpretation of his findings is anachronistic. Moreover, the very conception of science that is implicit in these descriptions is wrong. This article presents a better version of Priestley research and of its relevance to the understanding of some vital processes, in the scientific context of his time. This historical episode, properly presented, may introduce the students to several important concepts about the nature of science and research, such as: the intimate relationship between studies of various fields (in this case, chemistry, medicine and natural history); the influence of preconceived ideas in research; the difficulties that arise when trying to understand new and unexpected facts; the differences between the old interpretations of Priestley’s work and the ideas accepted today; the contributions of several researchers; and the broader context in which were developed the experiments described so simplistically by textbooks.
Keywords: Priestley, Joseph; respiration; photosynthesis; history of biology; history of chemistry

Para ter acesso aos sumários de todos os volumes da revista Filosofia e História da Biologia, clique aqui.

 Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB)